Home / Mundo / 17 bebés com “síndrome do lobisomem” devido a erro de farmacêutica

17 bebés com “síndrome do lobisomem” devido a erro de farmacêutica

Pelo menos 17 bebés ficaram com hipertricose, doença conhecida como “síndrome do lobisomem” devido ao crescimento excessivo de pelos, depois de terem tomado um medicamento, identificado como Omeprazol, mas que na verdade era um químico para a queda de cabelo, em Espanha.

De acordo com o jornal “El País”, que cita fontes da Agência Espanhola de Medicina e Produtos de Saúde (AEMPS), trata-se de uma falha interna da empresa farmacêutica Farma-Química Sur, de Málaga, que comercializou embalagens de Omeprazol (medicamento para tratar o refluxo gástrico) que na verdade continham Minoxidil, um potente vasodilatador usado geralmente para o tratamento da perda de cabelo.

Para já, só há casos registados em Espanha: dez bebés afetados na Cantábria, quatro na Andaluzia e três na Comunidade Valenciana.

As autoridades espanholas lançaram um primeiro alerta no dia 11 de julho, focado em apenas um dos lotes que a empresa colocou no mercado, mas, em agosto, o alerta foi alargado a outros 22 lotes, que foram importados de um laboratório na Índia.

A hipertricose ou “síndrome do lobisomem” é caracterizada por um crescimento excessivo de pelos em todo o corpo. Os bebés contaminados começaram a perder os sintomas da doença assim que deixaram de tomar o medicamento contaminado.

Não há lotes contaminados em Portugal

Portugal não dispõe de lotes alterados do medicamento Omeprazol, garantiu a Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), em comunicado emitido esta quarta-feira e citado pela Renascença.

O Infarmed assegura que não existem medicamentos aprovados em Portugal pelo fabricante daquele medicamento e revela que, no início de agosto, já havia sido alertado para a contaminação em Espanha.