Home / Portugal / Ana Gomes ganha processo em que tinha sido visada pelo empresário Mário Ferreira

Ana Gomes ganha processo em que tinha sido visada pelo empresário Mário Ferreira

O dono da Douro Azul tinha processado Ana Gomes por ofensas relativamente ao negócio do navio Atlântida, mas o Tribunal de Vila Real não deu razão a Mário Ferreira e decidiu arquivar o processo.

A ex-eurodeputada Ana Gomes ganhou mais um processo judicial, depois de ter levado a melhor sobre a empresária angolana Isabel dos Santos. Desta vez, Ana Gomes viu ser arquivada a queixa que o empresário Mário Ferreira moveu contra si, através das empresas Douro Azul e Mystic Cruises. Em causa estão as críticas que Ana Gomes fez em 2016 ao negócio com o navio Atlântida.

A ex-eurodeputada denunciou a existência de corrupção no negócio que permitiu a Mário Ferreira e à Douro Azul adquirir o Atlântida. Numa entrevista ao “Diário de Notícias”, em abril de 2016, comentou a investigação das autoridades portuguesas à subconcessão dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo e de venda do Atlântida à Douro Azul. “É um sinal de que algo está a mexer num caso de flagrante corrupção”, afirmou Ana Gomes na entrevista.

Em setembro do ano passado Ana Gomes foi constituída arguida no inquérito associado à queixa de Mário Ferreira, que avançou para tribunal imputando a Ana Gomes vários crimes de ofensa. A antiga deputada no Parlamento Europeu foi ouvida neste processo, tendo realçado que a Douro Azul veio a vender o Atlântida a um comprador norueguês pelo dobro do preço que pagou.

Na sentença, pode ler-se que “a arguida não afirma ou divulga quaisquer factos, limita-se, ao abrigo da sua liberdade de expressão, a fazer um juízo crítico, ainda que para o efeito use uma linguagem dura”.

“A arguida reputou como verdadeiras as suas suspeitas quanto ao tal negócio da venda do ferryboat Atlântida, dado o baixo preço pelo qual terá sido vendido às assistentes [as empresas de Mário Ferreira]”, refere a sentença, que acrescenta que “o Ministério Público terá concluído também pela existência de suspeitas de crime (dos crimes que a Procuradoria Geral da República enunciou no seu comunicado, de administração danosa, corrupção e participação económica)”.

Assim, na decisão tomada esta quinta-feira, 13 de fevereiro, o Tribunal Judicial da Comarca de Vila Real determinou o arquivamento do processo de Mário Ferreira contra Ana Gomes, não a pronunciando pelos três crimes de ofensa de que era acusada.