Home / Mundo / Bebé filho de três pessoas nasce na Grécia

Bebé filho de três pessoas nasce na Grécia

Especialistas em tratamentos de fertilidade garantem que um bebé filho de três pessoas nasceu na Grécia, utilizando material genético de duas mulheres e um homem.

O bebé, explica a “BBC”, nasceu na terça-feira, com 2,9 quilos. Tanto a criança como a mãe estão bem. A equipa de especialistas, composta por médicos gregos, espanhóis e um especialista português, acredita “ter feito história” e defende que o tratamento poderá ser replicado noutros casais.

A mulher de 32 anos, natural da Grécia, já tinha experimentado vários tratamentos de fertilidade, mas todos falharam. Segundo explica o jornal “The Independent”, os especialistas substituíram o núcleo do ovócito da mãe pelo núcleo do ovócito da mulher dadora, que depois foi fertilizado pelo esperma do pai e implantado no útero da mulher infértil.

Apesar dos bons resultados, alguns especialistas do Reino Unido defendem que este tipo de tratamento encerra questões éticas e não deveria ser feito. O tratamento foi originalmente desenvolvido para evitar que problemas mitocondriais fossem passados da mãe para os filhos. O primeiro bebé concebido com esta técnica nasceu no México, em 2016, através de uma equipa de investigadores do Centro de Fertilidade New Hope, em Nova Iorque, nos EUA.

Escreve o jornal “The Guardian”, que o tratamento foi tornado legal em 2015, no Reino Unido, mas nenhum outro país desenvolveu leis que permitissem o desenvolvimento desta técnica.

Nuno Costa-Pinto, bioquímico português da empresa espanhola Embryotools, que coordenou este processo, disse ao “State News” que a equipa de investigadores pediu autorização às autoridades gregas para a realização do tratamento, depois de o mesmo ter sido rejeitado em Espanha.

“Para algumas pessoas, é muito difícil aceitarem que não podem ficar grávidas. Este tratamento pode abrir uma nova fase nos tratamentos de fertilidade”, sublinhou. O especialista garantiu, respondendo às críticas, que, neste caso, 99% dos genes do bebé pertencem à mãe e ao pai e apenas 1% à dadora.

pub