Home / Mundo / Bebé morre ao ser deixado na cadeirinha fora do veículo

Bebé morre ao ser deixado na cadeirinha fora do veículo

Casal alerta para o perigo de deixar as crianças a dormir nas cadeirinhas dos carros em superfícies planas.
Bebé morre ao ser deixado na cadeirinha fora do veículo
© iStock

Ryne e Rachel, de Dakota do Norte, nos EUA, lutaram durante sete anos contra a infertilidade. Em janeiro de 2018, foram finalmente abençoados com o nascimento de um casal de gémeos.

Anders e Linnea eram inseparáveis desde o primeiro o primeiro dia, contam os pais ao jornal norte-americano Today. Passavam o dia de mãos dadas ou a tocarem um no outro.

Até que, a 12 de janeiro de 2019, o bebé Anders morreu, na creche, enquanto dormia na cadeirinha do carro.

A autopsia determinou que o menino morreu de “asfixia posicional”, ou seja, as suas vias respiratórias foram “estranguladas” devido à posição que o seu corpo adotou – o queixo caiu sobre o peito -, enquanto dormia.

Desde então, Rachel e Ryne abraçaram a missão de avisar todos os pais do perigo de deixar os filhos numa cadeirinha de carro, fora do veículo. Aliaram-se à Safe Kids Worldwide e estão a tentar espalhar a mensagem um pouco por todo o mundo.

Ao Today, o casal explicou que a cadeirinha, ao ser acoplada a um assento do veículo, fica com uma inclinação de 45º. “Isso permite que o bebé mantenha a cabeça para trás e as vias respiratórias abertas. O ângulo é muito importante porque os seus pequenos músculos do pescoço não estão suficientemente desenvolvidos para os bebés poderem passar muito tempo sentados, em superfícies planas”.

Além disso, a Safe Kids Worldwide recorda que os devem-se usar todos os cintos que existem nas cadeiras. Se eles existem é porque têm alguma função. “O cinto junto às virilhas impede os bebés de deslizar para a frente, por exemplo.

Um estudo do Journal of Pediatrics, divulgado em 2015, revela que 47 crianças morreram na sequência de incumprimento na utilização das cadeirinhas de veículos.

“A morte de Anders podia ter sido evitável. Queremos garantir que isso nunca mais vai acontecer a nenhuma família”, declarou Ryne.