Casamento de luxo em Versallhes. Ghosn reembolsa Renault em 50 mil euros

Carlos e Carole casaram no Palácio de Versallhes em 2016. A fatura seguiu para a Renault, abatendo ao crédito em serviços de que a marca beneficia.

Carlos Ghosn, o ex-presidente da aliança Renault-Nissan detido em Tóquio, está “disponível e pronto” para entregar ao grupo 50 mil euros pela organização do seu casamento no Palácio de Versalhes, em outubro de 2016. O que está em causa? A despesa foi atribuída à Renault, por conta da contrapartida (até 575 mil euros), no âmbito do acordo de patrocínio do Palácio pela marca.

Agora, o advogado de Ghosn, citado pela France Presse confirmou que o gestor está “pronto para acertar contas”. “Ele nunca teve consciência de que lhes devia esse dinheiro, já que nunca fora reclamado. Ele achou que era uma oferta”, justificou o advogado Jean-Yves Le Borgn.

Na quinta-feira, a Renault anunciou que iria reportar ao tribunal o benefício indevido de 50 mil euros, que configurava o uso pessoal de dinheiro da empresa. O patrocínio a Versalhes no de 2,3 milhões concede à marca uma contrapartida de serviços do Palácio até 25% daquele valor.

Segundo o Palácio de Versalhes, fora a Renault a pedir a cedência de uma galeria e do Grand Trianon para um jantar a 8 de outubro de 2016. A instituição pública avaliou o aluguer em 50 mil euros, se imaginar que em causa estava o casamento do casal Carlos e Carole.

INVESTIGAÇÕES INTERNAS
Foram investigações internas lançadas em novembro após a detenção de Carlos Ghosn em Tóquio que levaram a Renault a descobrir o caso do casamento. Até agora, as auditorias internas não revelaram outras ilicitudes imputáveis ao obreira da feliz aliança Renault-Nissan-Mitsubishi.

A imprensa francesa citava ontem um outro episódio com Versallhes. Um jantar de pompa e gala, em 2014, que ficou por 600 mil euros ao construtor automóvel. Oficialmente, foi uma festa para celebrar os 15 anos da aliança Renault-Nissan. Mas, segundo fontes do setor, nos convidados dominavam os amigos de Ghosn e não os representantes dos dois fabricantes. E sobra uma coincidência: a data, 9 de março, Essa é a data de nascimento do gestor franco-brasileiro que nesse dia completava um número redondo: 60 anos. A verdade é que o convite para a festa referia apenas “os 15 anos da Aliança”.

Carlos Ghosn foi detido em Tóquio em 19 de novembro, acusado de fuga ao fisco, informação falsa às autoridades da Bolsa de Tóquio sobre o seu salário, uso pessoal de dinheiros da Nissan e abuso de confiança. de 2010 a 2018. Dirigia a Renault desde 2005 e renunciou ao cargo no fim de janeiro, dois meses depois de ter sido afastado da presidência da Nissan e Mitsubishi.