Home / Portugal / Comandante dos Bombeiros de Borba conta noite de ‘horror’ após serem agredidos

Comandante dos Bombeiros de Borba conta noite de ‘horror’ após serem agredidos

Posteriormente, elementos da GNR pernoitaram no quartel para manter a segurança dos operacionais.

Os Bombeiros Voluntários de Borba foram atacados e agredidos dentro do próprio quartel, na madrugada deste sábado.

Segundo apurado junto do comandante dos Bombeiros de Borba, Joaquim Branco, o episódio aconteceu quando “cerca das 00h30 um grupo com cerca de 20 pessoas de etnia cigana deslocaram-se às instalações dos Bombeiros com o intuito de pedirem auxílio para uma vítima que se encontrava inconsciente.”

“Os elementos que se encontravam de serviço avaliaram a situação e verificaram que, efetivamente, a pessoa não se encontrava inconsciente e questionaram as pessoas se efetivamente já tinham ligado o 112”, revela o comandante. “Essas pessoas disseram que não tinham ligado [o 112], nem o tinham que fazer e o que exigiam era o socorro para uma situação que, efetivamente, não correspondia à informação inicial”.

Os elementos do grupo iniciaram “agressões físicas a um dos elementos que os atendeu e esse elemento refugiou-se dentro das instalações, fechando a porta”. As pessoas acabaram por partir o vidro da porta de entrada “projetando os vidros para cima de um outro elemento e abriram de forma forçada a porta”.

Os elementos do piquete que também se encontravam de serviço refugiaram-se dentro das viaturas e das instalações “com o objetivo de garantir a sua segurança”, acrescenta o comandante.

A GNR de Borba foi chamada ao local e acabaram por ficar no quartel de forma a “salvaguardar a segurança dos operacionais”, referiu Joaquim Branco.

O comandante revelou ainda que serão tomadas algumas medidas de reforço da segurança, nomeadamente “aumentar os níveis de alerta, coordenar com a Guarda Nacional Republicana, nomeadamente com o posto de Borba, com o intuito de dar também o apoio suficiente para situações que se mostrem preocupantes” porque “já houve mais situações, mas não com uma gravidade deste tipo”.