Home / Portugal / “Encontrei a minha filha deitada no chão. Chamou por mim e morreu”

“Encontrei a minha filha deitada no chão. Chamou por mim e morreu”

Acidente trágico ocorreu na madrugada do último domingo. Um adolescente de 13 anos ficou ferido com gravidade.

Uma menina de 10 anos morreu, na madrugada do último domingo, na sequência de um acidente rodoviário em Manique, no concelho de Cascais.

De acordo com a GNR, tratou-se de uma colisão entre dois veículos ligeiros, sendo que um deles era conduzido pela mãe da menina que viajava no porta-bagagens e que foi a única vítima mortal do acidente.

Em declarações ao ‘Programa da Cristina’, o pai da pequena Mariana contou que a mulher lhe ligou a pedir ajuda na sequência do acidente. Por morar perto do local da tragédia, Alexandre Santos chegou rapidamente e ainda a tempo de ver a filha dar o último suspiro.

“Encontrei a minha filha deitada no chão. Chamou por mim e faleceu”, recordou o pai, acrescentando que depressa se juntaram várias pessoas no local que queriam “fazer justiça pelas próprias mãos”.

O acidente ocorreu na madrugada de domingo, o que levou a que se noticiasse que a mãe e a menor regressavam a casa depois dos festejos da conquista do campeonato pelo Benfica, mas Alexandre negou essa versão dos factos.

A mulher e a filha mais velha haviam saído com “amigos” como num qualquer outro dia normal. Mas ao regressar a casa, a companheira quis dar boleia aos amigos. Assim, na viatura viajam seis pessoas: três adultos, dois adolescentes e uma criança, sendo que a menina, Mariana, e um adolescente de 13 anos encontravam-se no interior do porta-bagagens.

Ao entrar numa faixa em que era proibida a circulação a viaturas ligeiras, o carro conduzido pela mãe da criança foi abalroado por uma viatura. Mariana morreu e o amigo que seguia com ela na bagageira ficou em estado grave.

Alguns jornais garantem que a mãe conduzia com uma taxa de álcool no sangue superior ao permitido, mas o Notícias ao Minuto ainda não conseguiu confirmar essa informação.

Alexandre Santos, visivelmente perturbado com o sucedido, não negou a responsabilidade da mulher. “A minha esposa cometeu um erro, mas acha que precisa que lhe apontem o dedo?”, afirmou em jeito de questão, sublinhando que “todos cometemos erros”.

“Perdemos a nossa vida. Como é que eu digo aos irmãos que a irmã mais velha não vai regressar? Não sei como se carrega um fardo destes. A minha esposa vai carregar esta culpa até ao fim da vida dela. A filha veio de dentro dela. A culpa é dela, sempre será, fosse ou não fosse [nestas circunstâncias]”, lamentou Alexandre com a voz embargada pelas lágrimas.