Gaia : Emigrante de risco em quarentena detida a passear

Já foram detidas 16 pessoas pela GNR e pela PSP – por desobediência das medidas impostas pelo estado de emergência decretado na sequência da pandemia da Covid-19.

As situações de risco estão a ser alvo de controlo apertado pelas polícias, logo à entrada de Portugal, mas também nas suas residências, cujos postos ou esquadras são alertados e fazem visitas de verificação. O objetivo é confirmar cumprimento da quarentena e aferir evolução do estado de saúde dos possíveis infetados.

Uma das detidas é precisamente uma emigrante, de 40 anos, que tinha regressado de França no passado sábado com o marido. O casal entrou em Portugal por Chaves. Ao cruzar a fronteira, foram identificados e avisados de que estavam obrigados a um período de quarentena por terem vindo do estrangeiro, mais ainda por terem atravessado duas áreas de risco.

Todavia, logo no dia seguinte, os militares da GNR de Lever foram avaliar o cumprimento e constataram que a mulher circulava em plena via pública, violando o dever de isolamento a que tinha ficado obrigada. Foi logo detida, constituída arguida e sujeita a termo de identidade e residência, com obrigação de permanência no domicílio.

Segundo fonte da GNR, os militares têm acesso aos dados de quem cruza a fronteira e fica em isolamento profilático. Sempre que possível é feita uma visita de verificação, não só para saber se estão a cumprir o isolamento, mas principalmente para se inteirarem da evolução do seu estado de saúde. Foi numa destas visitas que se aperceberam de que a mulher violava o dever de isolamento.

Desde a madrugada de domingo até ontem à tarde, segundo número revelados pelo primeiro-ministro, António Costa, GNR e PSP detiveram 16 pessoas – nove ontem e sete anteontem – por incumprimento das medidas prevista no estado de emergência. Outra das detidas por desobediência é uma mulher de 53 anos, residente no concelho de Ovar, que desrespeitou a cerca sanitária imposta pelas autoridades. Depois de ter sido acompanhada até ao limite da cerca, foi detida pela GNR e notificada para comparecer no Tribunal Judicial de Ovar.

Segundo o porta-voz da PSP, também o dono de um café não obedeceu à ordem para encerrar o estabelecimento, na Cova da Moura, Amadora, e foi detido. As restantes detenções tiveram a ver com a prática do crime de resistência e coação sobre funcionário, pois os detidos reagiram mal à abordagem de sensibilização.

Dos detidos pela GNR, em três casos há suspeita de crime de desobediência, dois de ofensas à integridade física, um por condução sob a influência do álcool, outro por posse de arma ilegal e uma outra por resistência e coação sobre funcionário.