Inglaterra : Três pessoas morreram esfaqueadas num ataque que fez vários feridos

Três pessoas morreram e várias ficaram feridas, três destas com gravidade, quando um homem, de 25 anos, esfaqueou vários cidadãos que relaxavam num parque em Reading, no oeste de Londres.

A polícia do Vale do Tamisa anunciou que deu início a uma investigação por homicídio depois de três pessoas terem sido mortas no parque de Forbury Gardens, em Reading, cidade cerca de 60 quilómetros a Oeste da capital britânica.

A polícia foi chamada cerca das 19 horas de domingo e deteve um homem, de 25 anos. Está detido, sob custódia policial, e é o único suspeito dos homicídios.

“Fizemos uma detenção e, de momento, não estamos à procura de mais ninguém com relação a este incidente”, disse o chefe da Investigação Criminal da polícia do Vale do Tamisa, o detetive-chefe superintendente Ian Hunter.

“O caso não está a ser tratado como um incidente terrorista, de momento, embora os investigadores mantenham a mente aberta quanto à motivação do ataque, tendo o apoio dos colegas da brigada de Contraterrorismo da polícia de South East”, acrescentou Ian Hunter.

O centro da cidade de Reading, em Inglaterra, foi fechado pela polícia, após o incidente e assim deve permanecer “durante algum tempo, enquanto decorrem as investigações”, acrescentou Ian Hunter.

O incidente aconteceu no local onde decorreu uma manifestação do movimento “Black Live Matter (BLM)”, contra a violência racial e policial.

Uma das organizadoras do protesto disse, numa mensagem de vídeo no Facebook, que o incidente aconteceu depois de os manifestantes já terem deixado o local, recusando ligação entre o ataque e a manifestação do BLM.

“Nenhum de nós foi afetado. Já tínhamos saído todos quando aconteceu” o esfaqueamento, disse Nieema Hassan. “Em termos de protesto e de pessoas que foram à manifestação Black Lives Matter, estamos todos bem”, acrescentou.

No mesmo vídeo, Nieema disse, ainda, que o protesto foi pacífico e que os manifestantes estiveram sempre em colaboração estreita com a polícia que, mais tarde, confirmou a versão da organizadora da manifestação BLM.