Judite Sousa viaja para Itália para fazer o luto

A jornalista esteve em Itália para fazer o luto pelo filho, com outros pais. Judite Sousa tem recebido “conforto” espiritual do padre Tolentino de Mendonça.

Afastada da televisão e dedicada a algumas conferências de Comunicação, Judite Sousa tem aproveitado o tempo, também, para viajar. A ex-jornalista da TVI esteve recentemente em Itália e confessou nas redes sociais que o motivo foi o luto pelo filho, André Sousa Bessa. A razão da confidência foi um texto escrito pelo padre Tolentino de Mendonça.

“Conheço, julgo que relativamente bem, o padre Tolentino de Mendonça. Dele tenho recebido apoio espiritual desde que o meu filho partiu. Confesso, e é a primeira vez que o digo, que a minha viagem a Itália teve como objetivo participar num retiro espiritual de pais em luto”, referiu Judite Sousa no perfil de Instagram.

View this post on Instagram

Conheço, julgo que relativamente bem, o padre Tolentino de Mendonça. Dele tenho recebido apoio espiritual desde que o meu filho partiu. Confesso, e é a primeira vez que o digo, que a minha viagem à Itália teve como objectivo participar num retiro espiritual de pais em luto. Trata-se de um extraordinário ser humano é um teólogo com uma grande dimensão religiosa e existencial. O texto que assina hoje no Expresso devia ser de leitura obrigatória e os seus textos deviam integrar o plano curricular das nossas escolas. Ele fala-nos da sabedoria, do amor, do auto-conhecimento e da nossa relação com os outros neste tempo de infortúnio. Mal estão aqueles que abandonam, mal tratam e desprezam os outros. Na realidade, todos precisamos uns dos outros para sobrevivermos, para sentirmos um beijo ou um abraço, mesmo que à distância. Porque o coração carrega tudo o que nos possa parecer apenas um instante #expresso #tolentinomendonca

A post shared by @ juditesousaoficial on

“Trata-se de um extraordinário ser humano é um teólogo com uma grande dimensão religiosa e existencial. O texto que assina devia ser de leitura obrigatória e os seus textos deviam integrar o plano curricular das nossas escolas. Ele fala-nos da sabedoria, do amor, do auto-conhecimento e da nossa relação com os outros neste tempo de infortúnio. Mal estão aqueles que abandonam, mal tratam e desprezam os outros. Na realidade, todos precisamos uns dos outros para sobrevivermos, para sentirmos um beijo ou um abraço, mesmo que à distância. Porque o coração carrega tudo o que nos possa parecer apenas um instante”. concluiu a jornalista.