Home / Portugal / Lisboa : Mulher morre depois de tentar parto em casa

Lisboa : Mulher morre depois de tentar parto em casa

Estava na 42ª semana de gestação, mais uma do que o máximo permitido em Portugal. Criança, uma menina, está nos cuidados intensivos da Maternidade Alfredo da Costa.

Uma mulher, de 33 anos, suíça, grávida na 42ª semana de gestação, morreu no hospital Curry Cabral, em Lisboa, depois de tentar dar à luz, em casa. Perante as dificuldades em realizar o parto no domicílio, a mulher foi levada para a Maternidade Alfredo da Costa (MAC), onde o bebé, uma menina, acabou por nascer. A mãe, no entanto, sofreu uma paragem cardio respiratória ainda na MAC e foi transferida para o Curry Cabral, onde viria a morrer, na sequência de uma segunda paragem cardio respiratória, no dia seguinte.

A mulher, uma cantora independente, a viver em Londres, estava de férias, em Portugal, há cerca de duas semanas. Na noite de 31 de agosto, pelas 22h15, chegou ao serviço de urgência da MAC, acompanhada por um homem, que se apresentou como profissional de saúde. Explicaram que estavam a tentar realizar o parto no domicílio, quando detetaram uma descida na frequência cardíaca do feto. A grávida foi imediatamente levada para uma sala de partos, o que permitiu que a bebé nascesse, mas com muitas dificuldades, de cesariana, pelas 22h40.

A mãe, que sofreu uma forte hemorragia durante o trabalho de parto, entrou em paragem cardio respiratória, já depois da meia noite. A situação foi revertida e a mulher foi transferida, em coma, para o hospital Curry Cabral, onde viria a morrer, durante o dia 1 de setembro, vítima de nova paragem cardio respiratória.

A bebé, com cerca de 3,700 kg, esteve ventilada até esta sexta-feira, 6 de setembro, na MAC. Deverá agora ser sujeita a uma ressonância magnética, para se tentar determinar em que extensão as dificuldades no parto a podem ter afetado.

Em Portugal, por indicação médica, os partos são provocados, no máximo, na 41ª semana de gestação. Ultrapassar esse limite é considerado um perigo tanto para a mãe como para a criança.

O Expresso contactou o Centro Hospitalar Lisboa Central para obter mais esclarecimentos sobre o caso mas explicaram que não fornecem informação clínica sobre os utentes.

Nadia Marisa Buttler Zund era uma cantora independente, pouco conhecida, sem ligação a qualquer editora ou agente. Usava como nomes artísticos Nama Ray e Nadia Marisa. Na página de Facebook de Nama Ray explica que foi professora primaria durante 7 anos, até “sentir o apelo da música”, em 2012, e a mudar-se para Londres, para seguir essa carreira. Tendo lançado dois EPs, em 2014 e 2017, estava agora a preparar um novo disco.