Home / Mundo / Matou o filho de sete anos por medo de o perder

Matou o filho de sete anos por medo de o perder

Uma mulher foi detida, em Almeria, Espanha, suspeita de ter matado o filho de sete anos, por estrangulamento. O pai tinha conseguido a custódia da criança há três dias.

Sérgio, de sete anos, estava no meio de uma disputa entre o pai e a mãe.

Separados há três anos, o pai denunciou em setembro a “desatenção” da mãe em relação ao filho. Quando Sérgio estava com Ana Maria “não ia à escola, não comia bem e não estava cuidado devidamente, [apresentava] falta de higiene”. O Julgado de Violência Contra a Mulher de Almería decretou, na passada segunda-feira (dia 7), a alteração da custódia que vigorava desde 2007, ou seja, o menino iria ficar à guarda do pai. Decorriam os trâmites de notificação da decisão.

Mas na quinta-feira de manhã, a Guardia Civil foi chamada de emergência a El Ejido e deteve a mulher de 38 anos, de nacionalidade espanhola, suspeita de ter matado o filho.

Ana Maria terá estrangulado Sérgio – não se sabe ainda se o terá feito em casa (Huércal de Almería) ou dentro do carro onde transportou o corpo durante 41 quilómetros até ao bairro de Las Norias de Daza (em El Ejido), para ver o seu pai e avô da criança. Uma familiar viu Sérgio no interior do veículo com a boca ferida e a mulher tentou fugir, mas acabou por ser intercetada pela Guardia Civil. Resistiu, mas foi detida quando os agentes partiram o vidro do Peugeot 206.

A autópsia irá esclarecer quando ocorreu a morte violenta da criança. “Em nenhum momento houve indícios de que o menor corria risco de vida”, garantem fontes judiciais citadas pelo jornal “El País”, sem esclarecer se a progenitora já tinha conhecimento da decisão de alteração da custódia.

Até agora, a mãe tinha a guarda de Sérgio durante a semana e o menino ficava com o pai ao fim de semana. “Tinha medo de ficar sem o filho e sem teto”, revelaram familiares, citados na imprensa espanhola. “Andava perdida”, acrescentam, fazendo referência a problemas psicológicos nos últimos meses.

Fontes próximas do processo indicaram que, no verão passado, o Julgado de Primeira Instância 8 de Almería decretou o internamento compulsivo da mulher num serviço de saúde mental, onde esteve durante nove dias até receber alta médica com prescrição de tratamento com medicamentos.

Esta sexta-feira, cumpriu-se um minuto de silêncio em El Ejido e o município de Huércal de Almería decretou três dias de luto em memória do pequeno Sérgio.