O vice-primeiro-ministro do Luxemburgo que tem sangue português

O vice-primeiro-ministro do Luxemburgo que tem sangue português

Nasceu no Luxemburgo, mas as origens são portuguesas. Félix Braz manteve sempre a ligação às raízes – até na língua. Em entrevista, o vice-primeiro-ministro do Luxemburgo fala sobre a comunidade emigrante no país, “geringonças”, bolinhos de bacalhau e o passado na rádio.

Começou o percurso político no partido ambientalista Os Verdes, no Luxemburgo, em 1991. Chegou ao cargo de vereador em 2000, tornou-se deputado em 2004 e, em 2013, quando a coligação de que faz parte chegou ao Governo, tornou-se ministro da Justiça. Foi o primeiro lusodescendente a desempenhar funções governativas.

Félix Braz recusa a ideia de que seja um “representante” da comunidade portuguesa no Luxemburgo, mas reconhece que sente orgulho quando os portugueses olham para ele como um exemplo. Acima de tudo, como alguém que pode incentivar a comunidade portuguesa a participar na vida política do país, “é um direito que têm”, tal como qualquer outra comunidade emigrante no Luxemburgo. A grande luta de um dos vice-primeiros-ministros luxemburguês é que esta comunidade tenha uma voz nos destinos do país, que exerçam o direito de voto. “Enquanto não temos todos a bordo, não vou descansar”, garante.

Félix Braz lembra que, nos tempos da crise, o Luxemburgo assistiu a uma vaga de emigrantes portugueses mais qualificada. Alguns passaram grandes dificuldades por falta de trabalho. “Aquilo que se contava antigamente era que, no Luxemburgo, era só chegar e havia emprego. Nos anos recentes, não foi verdade”. O governante considera que agora a economia no Luxemburgo está novamente a desenvolver-se, mas não é garantia de trabalho automático, “com ou sem qualificação”.

Em dezembro do último ano, a coligação entre Os Verdes, o Partido Socialista e o Partido Democrata chegou ao poder. “Uma geringonça à luxemburguesa”, nas palavras do próprio. Mas sempre com a certeza de que iria chegar a bom porto e cumprir um mandato. “Tal como em Portugal”, recorda.

Félix Braz recordou ainda a passagem pela rádio, na RTL – Rádio Televisão Luxemburguesa, onde conduzia um programa em língua portuguesa. Uma experiência importante, que já admitiu ser a sua primeira decisão política.

A ligação a Portugal continua a ser forte. Vem pelo menos uma vez por ano ao Algarve, terra dos pais, onde ainda tem família, e todas as semanas está garantida pelo menos uma refeição num restaurante português para matar saudades.