Poderá Sérgio Moro ser o próximo salvador da pátria brasileira?

A análise de três peritos às causas e consequências da demissão do poderoso ministro da Justiça de Jair Bolsonaro, num momento de crise económica, política e sanitária no maior país da América Latina. Com o chefe de Estado cada vez mais contestado pela sua (não) condução do combate à pandemia de covid-19, é impossível não pensar numa candidatura presidencial de Sérgio Moro.

O Brasil, prova a história recente, procura salvadores da pátria. Personagens que despertem sentimentos extremos como amor e ódio, independentemente da razão e dos factos. O ex-Presidente Lula foi um deles. Apesar de profundas diferenças, outro é Sérgio Moro, antigo juiz da operação Lava-Jato (contra a corrupção) que se demitiu no dia 24 de ministro da Justiça e Segurança Pública de Jair Bolsonaro.

Tratado como herói por uma parte representativa da população, o magistrado teve, pela primeira vez, a sua imagem queimada em manifestações após deixar o Governo. É cedo para saber as consequências de sua substituição pelo advogado André Mendonça, pastor da Igreja Presbiteriana Esperança de Brasília. Mas é certo que as haverá, para o país e também para Moro.