Home / Portugal / Portimão : Desaparecimento de menor investigado ao fim de 17 dias

Portimão : Desaparecimento de menor investigado ao fim de 17 dias

A Polícia Judiciária começou a investigar o desaparecimento de uma menor, de 15 anos, mais de duas semanas depois de a mãe ter tentado apresentar queixa por temer que a filha, Sofia, tivesse caído nas malhas de uma rede de prostituição.

Na primeira tentativa, a PJ recusou a queixa e, depois de a PSP a ter aceitado, um conflito de competências protelou a abertura do inquérito pelo Ministério Público (MP) de Portimão, o que só aconteceu anteontem, segunda-feira.

Desesperada e cansada de esperar, dada a falta de resposta e de ação das autoridades e o silêncio da menor, apesar dos apelos nas redes sociais, Rosa Laranjeira apresentou-se hoje no MP de Portimão pedindo para ser recebida e já disposta a ficar em protesto à porta do tribunal caso não a ouvissem e não fosse iniciada a investigação ao desaparecimento da filha, Sofia, no dia 23 do mês passado, na Amadora. Saiu mais tranquila depois de uma reunião em que foi informada da abertura do inquérito e da determinação à PJ para o início da investigação. No entanto, segundo fonte ligada ao caso, Rosa deverá protestar formalmente pelo facto de o caso ter sido entregue ao mesmo inspetor que recusara a queixa logo que a menor desapareceu.

Problemática ao ponto de a própria mãe ter pedido auxílio à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ), a menor chegou a estar, durante algum tempo, entregue aos cuidados de uma funcionária da escola que frequentava e com a qual mantinha uma boa relação. Entrega que foi formalizada com a mãe, por escrito, na CPCJ. Mas acabou institucionalizada depois de a funcionária ter abdicado da guarda, supostamente por também não conseguir controlar a menor e por não receber qualquer apoio financeiro do Estado.

Terá sido a progenitora a aperceber-se de que Sofia poderia estar nas mãos de uma rede de prostituição, quando ela começou a aparecer com roupas, perfumes e telemóveis caros e quando descobriu acidentalmente mensagens de telemóvel que também apontavam nesse sentido. A última das quais dois dias antes de a menor ter desaparecido.

pub