Home / Portugal / Porto : Chuva, infiltrações e bolor em casa. “Engenheiros dizem que é de respirarmos muito”

Porto : Chuva, infiltrações e bolor em casa. “Engenheiros dizem que é de respirarmos muito”

Gota a gota, a água da chuva não pára de encher os baldes no chão do quarto de Gracinda Augusto. O bolor já começou a tomar conta das paredes e a humidade não permite que Gracinda tenha luz no quarto nem no corredor. Mora num dos blocos do bairro do Monte da Bela, em Campanhã, que está a ser intervencionado pela Câmara do Porto desde 2018, e que tem sido alvo de críticas por parte dos moradores que insistem que antes da obra, não havia problemas de humidade nem infiltrações.

O município esclareceu que “houve algumas sinalizações e, em visita às habitações, constatou-se que na sua maioria resultam de condensações, ou seja, da falta de ventilação dessas mesmas habitações”.

“Moro aqui há 50 anos. Nunca isto aconteceu”, reclama indignada Gracinda. “Está tudo molhado. Foi toda a semana. Molhou-me a cama toda e tive de dormir no sofá”, explicou a moradora que tem um problema nos pulmões e que, devido à humidade, está a piorar.

O estado em que a casa se encontra deixa Gracinda transtornada, sem conseguir conter as lágrimas. “As paredes eram todas branquinhas, com cortinados e carpetes. E agora não posso ter nada.”

E o cenário repete-se. De bloco para bloco. Em casa de Marisa Silva, 38 anos, as paredes estão todas pretas. Só escapa a casa de banho.

“Tenho a roupa cheia de bolor. Até já chamei a delegação de saúde porque não há quem viva aqui. As madeiras novas das janelas já estão todas podres porque entra água”, sublinha a moradora. “Ainda me dizem os engenheiros que a humidade é de respirarmos muito.”

Ventilação vai resolver

A Câmara explicou que “com a colocação de grelhas de ventilação nas janelas e com o novo sistema de ventilação das casas de banho, previstos na empreitada, estas ocorrências melhorarão. Igualmente com a empreitada vão ser substituídas as janelas por novas janelas em alumínio e, consequentemente, estão previstas novas guarnições/remates em madeira”.

Na casa de Marisa Santos, 33 anos, as paredes desfazem-se com a humidade. “Caiu-me o varão das cortinas porque a parede desfaz-se toda e ainda me partiu a televisão”, diz Marisa, lembrando que ainda no ano passado pintou a casa toda e aplicou nas paredes um produto para a humidade.