Portugal e Espanha estão a negociar um corredor para férias de emigrantes

Portugal e Espanha estão a negociar a passagem dos emigrantes portugueses, que atravessam o país vizinho de carro. A ideia é criar um corredor para que os portugueses não tenham de cumprir a quarentena exigida pelo país vizinho.

Augusto Santos Silva anunciou que está a ser feito um trabalho entre os dois países para “assegurar um corredor rodoviário através do qual os emigrantes portugueses que se desloquem de carro de França ou de outros países europeus para Portugal possam fazê-lo sem estar sujeitos a quarentena”.

“A fórmula do corredor rodoviário é a fórmula que permita que as pessoas possam fazer o trajeto sem pernoita em Espanha, beneficiando apenas das áreas de descanso e de serviço nas autoestradas”, explica o ministro dos Negócios Estrangeiros.

O ministro confirma ainda que estão a ser negociados corredores turísticos bilaterais com o Reino Unido, uma informação que tinha sido avançada pelo Jornal de Notícias.

Santos Silva admite que as negociações ainda estão numa “fase preliminar, visto que o Reino Unido iniciou ontem quarentena obrigatória”. Contudo, já está a haver recolha de informações, até para compreender o alcance e duração da medida.

Os jornais britânicos adiantam que Londres quer criar corredores com países com baixa incidência de Covid-19. Portugal, Grécia, Austrália e Nova Zelândia seriam o destino dos turistas britânicos.

O presidente da Associação dos hotéis e empreendimentos turísticos do Algarve, Elidérico Viegas, aplaude a medida, lembrando que os britânicos são o principal mercado que chega ao sul do país, vindo do estrangeiro.

“Isso seria ouro sobre azul nos fluxos turísticos oriundos do Reino Unido para Portugal e Algarve”, aponta em declarações considerando “a medida é francamente positiva e potenciadora dos fluxos turísticos”.

Elidérico Viegas revela que os corredores turísticos podem estender-se a outros países, numa altura em que o Algarve já começou a receber pedidos de reservas.

“Há muitas solicitações, tudo está dependente do transporte aéreo, do levantamento das restrições e de medidas como estas”, explicou.

O turismo é dos setores mais afetados pela crise da Covid-19. Em junho são retomados os voos da Easyjet para Faro e em julho será a vez da Ryanair.