Reino Unido abre corredores com países europeus a 6 de julho mas deixa Portugal de fora

O Reino Unido vai abrir, a 6 de julho, corredores de viagem, que permitem aos turistas britânicos evitar a quarentena no regresso ao país, com um conjunto de países europeus a divulgar na segunda-feira. Portugal não consta da lista.

A BBC, que avança a notícia, precisa que a lista de países deve incluir Espanha, França, Grécia, Itália, Alemanha, Holanda, Bélgica, Finlândia, Noruega e Turquia, mas não Portugal ou a Suécia.

Desde 8 de junho que todas as pessoas que chegam do estrangeiro ao Reino Unido, incluindo britânicos, são obrigadas a permanecer em isolamento durante 14 dias para reduzir a probabilidade de contágio da covid-19. Caso não respeitem a quarentena, incorrem numa multa de cerca de mil euros.

Citado pela BBC, um porta-voz do governo afirmou que as novas regras vão dar aos britânicos “a oportunidade de umas férias de verão no estrangeiro”, mas frisou que o alívio de medidas depende da manutenção de um risco baixo de propagação do vírus.

O Governo “não hesitará em travar” as novas regras se a situação epidemiológica evoluir desfavoravelmente.

Portugal e a Suécia, que têm registado um aumento do número de infeções, deverão ser classificados com a cor vermelha, segundo o esquema de cores que Londres prevê aplicar.

O porta-voz citado pela BBC reconheceu, contudo, que nada impede um turista britânico de viajar para um aeroporto em Espanha, seguir de automóvel até Portugal e, depois das férias, regressar ao seu país da mesma forma, de carro até Espanha e, daí, de avião para o Reino Unido.

A secretária de Estado do Turismo de Portugal, Rita Marques, frisou à BBC que Portugal foi nomeado o destino mais seguro da Europa pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) e é um “destino ‘clean & safe'”.

“Alguns países estão nesta lista e Portugal está a lutar por um lugar”, disse a secretária de Estado, acrescentando que a situação está “completamente sob controlo” e está a ser feito um número significativo de testes.

O setor de viagens e turismo britânico ter criticado a abordagem do governo às viagens para países europeus, considerando “encorajadora” a abertura de corredores aéreos, mas pedindo que eles sejam alargados a mais países, nomeadamente Portugal, destino de cerca de 3 milhões de turistas britânicos anualmente.